Intercâmbio em Vancouver com crianças: 10 perguntas e respostas

Intercâmbio em Vancouver com crianças: 10 perguntas e respostas

26 abr 18
Intercâmbio em Vancouver com crianças: 10 perguntas e respostas

Se você tem dúvidas quando planeja uma viagem de lazer, mais ainda quando se trata de um intercâmbio. Aconteceu com a gente. Tínhamos muitos questionamentos antes de decidir por Vancouver.

Este artigo é resultado das muitas perguntas que recebi no blog e no stories do nosso Instagram depois da nossa volta. Além dos nossos próprios canais, eu investiguei quais seriam as dúvidas de pais e mães do super grupo de Viagens em Família liderado pela blogueira Sut-Mie Guibert.

É bem provável que a resposta para a sua pergunta está aqui. =)

 

1) Qual a carga horária mínima? Vale a pena investir em um intercâmbio de 1 mês? Saio fluente? Não seria melhor um programa de 6 meses?

Quanto mais longo o intercâmbio, mais resultados ele trará no domínio do idioma. O fato é que nós, assim como boa parte das famílias brasileiras, não temos mais do que 30-40 dias de férias por ano. Além disso, essas férias têm que coincidir com o calendário escolar. É pegar ou largar.

Foi exatamente por dispormos apenas de 1 mês que comentei nesse artigo sobre a SSLC que optamos por carga horária integral, estudando pela manhã e à tarde. É aquela conta de 1 mês no exterior x 1 ano no Brasil que eu menciono naquele texto.

Sobre fluência, certamente não é com 1 mês que estará “tudo dominado”. Um curso com essa duração pode dar uma turbinada no idioma e destravar a língua, mas jamais trará fluência total. Dependendo da pessoa, nem mesmo um programa de imersão total com 6 meses de duração.

 

2) Como você fechou a hospedagem? Ficou perto da escola? Era casa de família? Quanto custou?

Nós não tivemos gastos com hospedagem porque fizemos troca de casa como expliquei neste texto. Mas, se não fosse assim, nós teríamos nos hospedado com as crianças no centro de Vancouver, a uma distância que pudesse ser percorrida a pé entre o apto e a escola.

Nas pesquisas que fiz no Airbnb, eu localizei imóveis para nossa família de 4 pessoas que custariam 10 mil reais por 1 mês em janeiro, inverno canadense. Já na altíssima temporada deles, julho, os valores podem até dobrar.  Para um investimento nesse valor, é necessário fazer buscas em vários sites de vacation rentals e negociar muuuuito.

As escolas geralmente oferecem opções de hospedagem também. Há inclusive aptos como os encontrados no Airbnb. Essa é outra opção.

Quanto ao chamado homestay, não fiquei com vontade de procurar uma casa de família para nos hospedarmos. Quis ter a liberdade de um lugar só para a nossa família.

 

3) Quanto é o gasto total de um intercâmbio? E forma de pagamento?

Todo intercâmbio, com crianças ou não, envolve 4 gastos principais: aéreo, curso, hospedagem e seguro de viagem. Sobre o restante, transporte local e alimentação, vai depender muito do perfil de quem viaja.

Fazendo uma estimativa para 1 adulto + 1 criança viajarem nas férias do final do ano (valores de abril 2018):

  • Para o aéreo, voando Air Canada via Toronto , deve custar em torno de 9 mil reais, parcelados no cartão. Clique no link para saber os motivos que nos levaram a optar por essa cia aérea para a viagem.
  • No caso do curso, se os dois estudarem período integral na VIC, aproximadamente 8 mil reais, à vista. (se for via agente de intercâmbio, há parcelamento)
  • Sobre hospedagem, fazendo uma pesquisa rápida por um imóvel no Airbnb, em torno de 7-8 mil reais. Há uma opção de parcelamento em 3x, mas é necessário verificar a partir de quantos dias.
  • O seguro de viagem é obrigatório. Primeiro por prudência; segundo porque a escola exige. Um seguro deve custar entre 500 e 900 reais, dependendo se for categoria estudante ou lazer.


4) 
Como é estudar durante as férias para a criança? Não fica pesado o dia todo na escola?

Enfrentarás reclamações. Deverás resistir. Sobreviverás após 1 semana. Falando muito sério, você vai ter que vender a ideia para seus filhos.

Depois, uma vez no Canadá, você vai ter que mostrar a utilidade do estudo expondo seu filho a situações onde o idioma é necessário. Um exemplo: deixar que seu filho peça a comida para a garçonete.

Claro que, a princípio, estudar nas férias não é atrativo. Mas, estando lá, eles vão vivenciar algo totalmente diferente do que é a escola regular no Brasil.

Eles não ficam estudando gramática o dia todo. As aulas deles não são chatas! Há muita atividade diferente, principalmente na parte da tarde e nos Field Trips que comentei neste texto. Conforme os dias passam, eles ficam mais confiantes e curtem a experiência.

Além disso, nos finais de semana, fizemos muitos passeios bacanas como curtir a neve nas montanhas próximas, por exemplo.

 

5) Como é o material de estudo para crianças? Usam livros? Seus filhos ficaram na mesma sala? Todas as crianças usam o mesmo material?  

Os cursos da VIC não usam livros. Eles trabalham com um tema por semana e distribuem fotocópias das atividades. Elas são variadas e de diferentes fontes.

Meus filhos não ficaram na mesma sala. Fiquei muito feliz por isso. Era exatamente o que eu queria: que cada um tivesse a sua experiência separada do outro. As divisões das salas da VIC eram turmas de 5 a 7 anos, 8 a 10 anos e 11 a 14 anos.

Neste artigo detalhado sobre a experiência das crianças na VIC você pode entender melhor a dinâmica das aulas, atividades e programação semanal.

 


6) É adequado para adultos que vão partir do zero? E o contrário? Quando um adulto tem nível bem avançado?

Minha visão é que sempre, sempre vai valer a pena. Até porque a maioria de nós, brasileiros, não parte do zero absoluto. Porém, é óbvio que se você tiver uma boa base no idioma, a possibilidade do avanço ser maior é grande, principalmente na conversação.

Uma viagem de intercâmbio não é algo que se decide da noite para o dia, então, penso que deve haver um preparo. Minha sugestão para quem está “no zero” é fazer um curso online por pelo menos 1 ano. English Live e Babbel são duas boas alternativas. Há ainda o aplicativo Duolingo.

Se a questão for o oposto, ou seja, o aluno tiver um nível bem avançado, sugiro que procure um curso preparatório para um exame de proficiência. Esta foi exatamente a minha situação. Escrevi detalhadamente sobre isso no artigo sobre o curso na SSLC.

 

7) Crianças pequenas não alfabetizadas estudam apenas a parte oral? A partir de que idade uma criança é aceita? Isso não atrapalha? Não seria melhor esperar a alfabetização?

Crianças a partir de 5 anos ficam na sala com crianças de até 7 anos. Então, haverá uma diferença do nível de alfabetização da turma.

Os alunos dessa classe não estudam apenas a parte oral. Eles têm atividades escritas também. Quem não consegue ainda identificar palavras, tem a ajuda da professora.

Há inclusive atividades de pontilhar letras, conforme me contou uma das mães brasileiras que tinha um menino de 5 anos na VIC. Ele me relatou que o filho dela voltou com a mão até mais firme do que quando foi.

Agora, não é apenas a questão da alfabetização que deve ser levada em conta. A criança está madura emocionalmente para estar em uma sala de aula onde ninguém fala a língua dela?

Essa era a minha maior preocupação quando me interessei por fazer essa viagem com meu caçula quando ele estava com apenas 6 anos. Para nós, funcionou melhor esperar até que ele fizesse 8 anos.

 

8) Canadá é melhor opção para família? Por que descartou EUA, por exemplo?

Desde a primeira vez que pensamos em fazer um intercâmbio com as crianças, nós havíamos decidido que seria Canadá ou EUA.

Três coisas pesaram na decisão pelo Canadá:

  • a cotação do dólar é melhor;
  • localizamos apenas escolas na Flórida que oferecem curso de inglês para crianças nas férias do final do ano pela quantidade de semanas desejada. Na nossa opinião, o mix de nacionalidades não é bom naquele estado americano;
  • grande parte das escolas de inglês americanas oferecem apenas cursos de meio período quando se trata do programa com crianças. Nós definitivamente queríamos uma experiência de imersão para o dia inteiro.

Depois de resolvido que o país seria Canadá, a decisão seguinte foi fácil: Vancouver é a cidade menos fria no inverno canadense.

 

9) É obrigatório tratar direto com as escolas? Que agência de intercâmbio você indica no Brasil para quem quer estudar fora com crianças?

De forma alguma é necessário tratar direto com as escolas de inglês. Tanto no artigo sobre a VIC quanto no texto sobre a SSLC, eu mencionei quem seriam os contatos que falam português porque muitas pessoas preferem esse caminho.

Aliás, importante esclarecer que tratar com as escolas não necessariamente garante melhores preços. Por que? As agências geralmente recebem preços e promoções especiais das escolas porque negociam volumes maiores.

Eu indico a Mikix Intercâmbio da brasileira Mirella Mathiesen, uma agência baseada em Toronto e especializada em Canadá. Ela foi decisiva nas avaliações que eu fiz antes de escolher a escola. Indico com segurança. E-mail: contato@mikixintercambio.com e Whatsapp: +1 561 602.0866.

 

10) É possível estudar francês em Vancouver?

Sim. Há escolas que ensinam francês na cidade. Um nome conhecido é a Aliança Francesa que tem uma unidade em Vancouver e promove programas de até 7 semanas em francês.

Uma grande vantagem de estudar idiomas no centro de Vancouver é o fato das escolas serem bem concentradas aqui. Isso permite que pais e filhos estudem em escolas diferentes, mas próximas.

 

 

*Este artigo faz parte de uma série de 4 posts que serão publicados a respeito da nossa experiência na VIC e na SSLC. Fizemos uma parceria com as escolas para produzir esse conteúdo. A contrapartida foi um desconto no valor total pago pelos cursos. Não recebemos qualquer orientação quanto ao conteúdo dos textos. Os artigos resultam da nossa experiência pessoal. #parceria #ap

**O órgão oficial de turismo da cidade, Tourism Vancouver, cedeu gentilmente 2 imagens deste post. A do Science World e a das montanhas próximas que foi tirada no Sea to Sky Gondola pelo fotógrafo Paul Bride.

8 comments

  1. Ficou demais!!!!! Esclareceu muito…
    Valeu pela indicação e bora speak English minha gente 🙂

  2. Adorei o post!!! Respondeu todas as minhas duvidas!!! 🙂

    • Adriana Pasello

      Fico feliz por você escrever isso já que é uma viajante experiente! Obrigada pela visita. 🙂

  3. Isabela Deschamps

    Olá Adriana,
    Estou indo para Vancouver no fim de maio, com meu marido e nossas duas filhas, de 5 e 11 anos. Vamos estudar por 4 semanas na GC Canadá. Estou super ansiosa!
    Meu maior medo é minha filha de 5 anos, mas li alguns relatos no seu blog de crianças pequenas e as mães sempre são positivas nesta questão.
    Estou com algumas dúvidas… se puderes me auxiliar te agradeço.
    Tens ideia de quanto gastavam com supermercado por semana? Tipo, quanto deve sair a primeira compra, quando devemos abastecer a casa… e depois por semana, quanto será que gasta?
    Vocês comiam muito fora ou preparavam a comida em casa?
    Os lanches no intervalo da escola vocês sempre almoçavam fora? Qual o valor desse tipo de alimentação?
    E um restaurante razoável, para jantar as vezes, quanto será que custa, para o casal e duas filhas?
    Vocês alugaram carro lá aos fins de semana? Conseguiram alguma promoção?
    Tem muita coisa para visitar em Vancouver? Fizeram algumas viagens de fim de semana?

    • Adriana Pasello

      Oi Isabela
      Conheci duas mães tiveram experiências ótimas com crianças de 5 anos na VIC, onde meus filhos estudaram. Além do que, se a família toda vai estudar, tudo fica mais fácil para a criança menor. Vai dar tudo certo!
      Então, nós fizemos troca de casa e muitos itens de alimentação já estavam na casa quando chegamos. Nós não fazíamos compras semanais, era tudo na base do que precisava para 1 ou 2 dias dependendo da programação. Eu não tenho um valor de cabeça para te passar, mas deixo uma dica. Apesar das opções não serem top saudáveis, a maioria dos supermercados oferece algum tipo de comida pronta ou até porcões de buffet para levar. A gente ia revezando as opções porque não dava para cozinhar todo dia à noite já que chegávamos tarde.
      Sim, almoço fora todo dia de aula e preparávamos comida em casa à noite algumas vezes por semana.​
      Gastávamos em torno de 40 dólares canadenses para almoço perto da escola. Nós localizamos 3 opções de refeição perto da VIC que a família toda curtia e praticamente fizemos revezamento apenas nesses lugares o tempo todo do curso. rs
      ​Bom, valor “razoável” para restaurantes pode significar muitas coisas. Com 60-80 dólares canadenses come-se bem em lugares como White Spot, nossa rede favorita para comer com as crianças em Vancouver.
      Nossa troca de casa incluía carro. Tente localizar operadoras locais. Pode ser que o valor seja melhor. Eu realmente não tenho ideia desses valores.
      ​Dezenas de coisas para visitar! Você vai pegar uma ótima época porque no inverno (dez/jan) chove muito muito. A própria escola vai sugerir algumas atrações para vocês visitarem, mas independente do estilo de viagem de vocês, de imediato posso sugerir passear no Stanley Park, aproveitar e fazer o aquário lá dentro, museu de ciências (Science World), experimentar o SeaBus, Kids Market no Granville Island, as montanhas próximas….
      Sim, fizemos viagens de fds para Victoria (absolutamente fofa, tem que atravessar no ferry) e Whistler (mas foi por causa da neve).
      ​Sua viagem será incrível, tenho certeza. bj

  4. carolina

    Olá, como você organicou a viagem, foi por agencia ou você mesmo articulou tudo?

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *